terça-feira, 2 de novembro de 2010

Poema sem Nome e Sem Memória

Passei o resto do dia procurando as sombras
Da inspiração da noite passada.
Um mistério se desfez em minha mente,
Uma zona inteira de pensamentos que naquela hora
Achei brilhantes ...


Brilhantes espalhados na aurora me surpreenderam
Seu clarão informe logo me confundiu
Ó sombra do dia imperfeito,
Tua luz cobriu meu gênio volúvel:
O capricho de uma ideia errante
Que com certeza nem minha era.


Era de uma sagacidade extrema
O poema que eu vinha aqui compartilhar;
Mas não quis a memória me valer,
O horizonte de uma lembrança fica ao longe
Nunca será alcançada pelos nômades sem causa
Que buscam algo para os desesperar.


Desesperar com a voz de um louco no deserto de sua própria mente
É como estranhar as próprias ideias,
Duvidar de que um dia imaginei algo assim,
Mas isso nunca aconteceu, sobe o turbilhão,
O vento do esquecimento me alucina!
Passe o resto do dia procurando as sombras ...

7 comentários:

  1. Ilustrações e Imagens, Fontes e Autores

    1
    Escultura em Relevo em Folha Seca
    http://www.longal-craft.com/

    2
    O Mártir, de Titus Kaphar
    http://tituskaphar.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. "Desesperar com a voz de um louco no deserto de sua própria mente."

    Cara, incrível metáfora! E bonito poema. Muito bom.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado por ter achado isso, porque ele é verdadeiro ... eu fiz outro poema ontem, mas dormi e me esqueci dele.

    ResponderExcluir
  4. divulgando...
    ******************
    visite.. se achar algo intereçante, comente... siga...
    se não for sua praia tudo bem...
    download de livros de magia
    http://livrosdemagia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Minha praia é logo depois dessa sua.

    Por mim pode divulgar, meus comentários são seus.

    ResponderExcluir
  6. Isso acontece várias vezes comigo - tem coisas que só consigo lembrar meses ou anos depois...
    E concordo com o Carlos - essa metáfora... é foda.

    ResponderExcluir
  7. Tem uma coisa bem peculiar escondida nesse poema, que pode parecer um erro de digitação.

    ResponderExcluir